cafe

1. Ansiedade

A cafeína é conhecida por aumentar o seu estado de alerta. Ela funciona bloqueando os efeitos da adenosina, uma substância química do cérebro que faz você se sentir cansado. Ao mesmo tempo, desencadeia a liberação de adrenalina, o hormônio de “luta ou fuga” associado ao aumento de energia.

No entanto, em doses altas, esses efeitos podem se tornar mais progressivos, podendo causar ansiedade e nervosismo.

O transtorno de ansiedade induzido pela cafeína é uma das quatro síndromes relacionadas à cafeína.

Foi relatado que a ingestão diária extremamente alta (de 1.000 mg ou mais por dia) causa ansiedade, nervosismo e sintomas semelhantes na maioria das pessoas. Inclusive, até um consumo moderado pode causar efeitos colaterais semelhantes em pessoas que são mais sensíveis à cafeína.

Além disso, as doses moderadas demonstraram causar respiração rápida e aumentar os níveis de estresse quando consumidas.

Um estudo com 25 homens saudáveis ​​descobriu que aqueles que ingeriram aproximadamente 300 mg de cafeína experimentaram mais que o dobro do estresse do que os que apenas tomaram um placebo.

Curiosamente, os níveis de estresse foram semelhantes entre os consumidores regulares e menos frequentes de cafeína, sugerindo que o composto pode ter o mesmo efeito nos níveis de estresse, independentemente de você consumi-lo habitualmente.

Apesar disso, esses resultados são apenas preliminares.

A dose de cafeína em uma xícara de café, por exemplo, é altamente variável. Por isso, você deve estar atento e perceber se você se sente ansioso ou nervoso na maioria das vezes em que toma café.

Pode ser uma boa ideia analisar a ingestão de cafeína e reduzi-la, caso você se sinta os sintomas citados acima.

2. Insônia

A capacidade da cafeína de ajudar as pessoas a ficarem acordadas é uma de suas qualidades mais valorizadas. Por outro lado, muita cafeína pode fazer com que o sono seja afetado, mesmo você não querendo.

Estudos descobriram que uma maior ingestão de cafeína parece aumentar a quantidade de tempo que as pessoas levam para adormecer. Inclusive, pode diminuir o tempo total de sono, principalmente em idosos.

Por outro lado, quantidades baixas ou moderadas de cafeína parecem não afetar muito o sono de pessoas que dormem facilmente ou mesmo naquelas que já possuem quadros de insônia crônica.

Você pode não perceber que a alta quantidade de cafeína está interferindo no seu sono se você subestimar a quantidade de cafeína que está ingerindo.

Embora o café e o chá sejam as fontes mais concentradas de cafeína, também é possível encontrar a substância em refrigerantes, cacau, bebidas energéticas e diversos tipos de medicamentos. Como exemplo disso, podemos citar algumas bebidas energéticas, que chegam a fornecer até 500 mg por lata.

É importante ressaltar que a quantidade de cafeína que você pode consumir sem afetar seu sono, dependerá de fatores genéticos e de outros fatores particulares ao seu caso.

Além disso, a cafeína consumida no final do dia pode interferir no sono pois seus efeitos podem levar várias horas para desaparecer por completo.

3. Alterações digestivas

Muitas pessoas acham que uma xícara de café matinal ajuda na saúde do intestino, pois tem efeito de evacuação.

O efeito laxante do café foi atribuído à liberação de gastrina, um hormônio produzido pelo estômago que acelera a atividade no cólon. Sobretudo, foi demonstrado que o café descafeinado produz também uma resposta semelhante.

No entanto, a cafeína em si também parece estimular os movimentos intestinais, aumentando o peristaltismo, as contrações que movem os alimentos através do trato digestivo.

Dado esse efeito, não é de surpreender que grandes doses de cafeína possam levar a fezes soltas ou até diarréia em certas pessoas.

Embora por muitos anos tivemos a forte crença de que o café causasse úlceras estomacais, um grande estudo com mais de 8.000 pessoas não encontrou sequer uma ligação entre a cafeína e o surgimento das úlceras no estômago.

Por outro lado, outros estudos sugerem que as bebidas com cafeína podem piorar a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) em algumas pessoas. Aparentemente, isso parece ser verdadeiro em relação ao consumo de café.

Como o café pode ter efeitos importantes na função digestiva, talvez seja necessário reduzir a quantidade de café ou chá que você bebe se estiver tendo problemas estomacais e digestivos.

4. Dependência

Apesar de todos os benefícios de saúde da cafeína, não há como negar que ela pode se tornar um hábito.

Uma revisão detalhada sugere que, embora a cafeína desencadeie certos compostos químicos do cérebro de maneira semelhante à cocaína e anfetaminas, ela não causa a dependência clássica da maneira que essas drogas causam.

No entanto, pode levar à dependência psicológica ou física, especialmente em altas doses.

Em um estudo, 16 pessoas que normalmente consumiram cafeína alta, moderada ou sem cafeína participaram de um teste de palavras após ficarem sem cafeína durante a noite. Somente usuários de alto consumo de cafeína mostraram um viés por palavras relacionadas à cafeína e tinham fortes desejos por cafeína.

Além disso, a frequência da ingestão de cafeína parece desempenhar um papel na dependência.

Em outro estudo, 213 usuários de cafeína preencheram questionários após passar 16 horas sem consumi-lo. Os usuários diários apresentaram maiores aumentos de dores de cabeça, fadiga e outros sintomas de abstinência do que os usuários não diários.

Mesmo que o composto pareça não causar o vício, se você bebe regularmente muito café ou outras bebidas com cafeína, há uma chance grande de ficar dependente dos efeitos do mesmo.

5. Frequência cardíaca rápida

Os efeitos colaterais e estimulantes da alta ingestão de cafeína podem fazer seu coração bater mais rápido.

Também pode levar ao ritmo cardíaco alterado, chamado fibrilação atrial, que foi relatada em jovens que consumiram bebidas energéticas contendo doses extremamente altas de cafeína.

Em um estudo de caso, uma mulher que tomou uma dose maciça de pó e comprimidos de cafeína em uma tentativa de suicídio. Após isso, ela desenvolveu uma frequência cardíaca muito rápida, insuficiência renal e outros problemas graves a sua saúde.

No entanto, esse efeito parece não ocorrer em todas as pessoas. De fato, mesmo algumas pessoas com problemas cardíacos podem tolerar grandes quantidades de cafeína sem efeitos colaterais.

Em um estudo controlado, quando 51 pacientes com insuficiência cardíaca consumiram 100 mg de cafeína por hora por cinco horas, suas frequências cardíacas e ritmos permaneceram normais.

Independentemente dos resultados variados do estudo, se você notar alguma alteração na frequência cardíaca ou no ritmo após beber bebidas com cafeína, diminua com o seu consumo!

6. Micção e Urgência Frequentes

O aumento da micção é um efeito colateral comum da alta ingestão de cafeína devido aos efeitos estimulantes do composto na bexiga.

Você deve ter notado que precisa ir urinar com frequência quando você bebe mais café ou chá do que o normal.

A maioria das pesquisas que analisam os efeitos do composto na frequência urinária se concentrou em pessoas mais velhas e com bexigas hiperativas ou com incontinência.

Se você bebe muitas bebidas com cafeína e sente que sua micção é mais frequente ou urgente do que deveria, pode ser uma boa ideia reduzir sua ingestão para ver se seus sintomas melhoram.

Perspectiva

A ingestão de cafeína leve a moderada parece proporcionar benefícios de saúde para muitas pessoas. Por outro lado, doses muito altas podem levar a efeitos colaterais que interferem na vida cotidiana e podem até causar sérios problemas de saúde.

Embora as respostas variem de pessoa para pessoa, os efeitos da alta ingestão demonstram que mais não é necessariamente melhor.

Para obter os benefícios da cafeína sem efeitos colaterais indesejáveis, faça uma avaliação do seu sono, do seu nível de energia durante o dia (sem cafeína) e outros fatores que podem ser afetados.

Caso seja necessário e melhor a você, reduza com o consumo!