A China anunciou 47 novos casos da Covid-19, todos oriundos do exterior, numa altura em que o país está a retirar as medidas de isolamento impostas na província de Hubei, centro do coronavírus.

A Comissão de Saúde da China indicou ter registado, até à meia-noite na China (16 horas de terça-feira em Londres), morreram mais quatro pessoas, o que fixa o número de vítimas mortais em 3281. O número de infectados na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, desde o início da pandemia, é de 81218.

Desde o ínico do surto, em Dezembro, 693 223 pessoas em contacto próximo com infetados estiveram sob vigilância médica desde o início do surto, incluindo 13356 ainda sob observação, de acordo com dados oficiais.

A cidade de Wuhan, capital de Hubei e onde foram detectados os primeiros doentes, voltou a não registar novos casos de contágio local, indicou a Comissão de Saúde chinesa.

Na província de Hubei, o bloqueio de mais de dois meses terminou hoje em todas as cidades, com exceção de Wuhan, que vai continuar bloqueada até 8 de abril.

Ao longo de mais de uma semana, a maioria dos casos identificados pelas autoridades chinesas são de pessoas vindas do exterior, numa altura em que a transmissão comunitária quase desapareceu.

Quando a doença começou a atingir o resto do Mundo, muitos chineses regressaram ao país. De acordo com dados oficiais, a China registou quase 450 casos de infecção oriundos do exterior.

Para impedir uma segunda vaga de contágios no país, o Governo impôs uma quarentena rigorosa de 14 dias a quem entrar na China. A partir de hoje, quem chegar a Pequim vindo do exterior será submetido a testes laboratoriais, além de ser colocado em quarentena.