Deixa-me cantar-te cidade
com as melodias tranquilas
das minhas raízes mais a sul.
Depois prolongar em ti solfejo
a grandeza do fogo e do fumo
tocar-te na cartografia da voz.

Deixa-me escrever-te inédita
mesmo que noite não saiba de mim
junto ao Douro de prata antiga
no cais do povo e do vento
onde os corações se juntam
a estes versos de pedra no templo.

Tear de alegria distante
deixa-me decifrar os seus segredos
nos teus caminhos até à foz
que Invicta teimas em esconder.
Pela liberdade da ilusão.
jogos de desejos e sedução.

Ficção virás quem sabe da chuva
no baixo-relevo dos silêncios
de portas e janelas abertas
para lá da sede dos lábios
e do seu sorriso imaterial.
Irmão encantador de formigas.

Deixa-me sonhar-te em palavras
na barra-fechada dos sentidos
mãos que se tocam e se afastam
Alfândega de encontros furtivos.
Amor é sobretudo sobremesa
o doce conventual do teu olhar.

 

Crédito da Foto: Fotografia Joaquim Oliveira

https://www.facebook.com/FotografiaJoaquimOliveira/photos/a.282450925188431/2651311414969025/?type=3&theater

https://pedroassiscoimbra.blogspot.com/

Pedro Assis Coimbra
PAC, português cidadão do mundo, nasceu em Amiais de Baixo, Santarém em 29 de outubro de 1958 e vive em Budapeste há mais de 40 anos. “Militante das Palavras” escreve poesia porque é a maneira que tem de respirar e viver.