Foto: Mário Cruz/Lusa

Estudo conclui que a criação de emprego e o desenvolvimento económico são os principais motivos apontados pelos portugueses para considerarem que o consumo de produtos made in Portugal é “um dever”.

Mais de metade dos portugueses (52%) considera que o consumo de produtos nacionais é “um dever”, acima dos 45% registados há um ano.

A conclusão é do estudo Observador Cetelem Consumo 2020, que conclui ainda que 49% das pessoas encaram o consumo de produtos nacionais como “prioritário”, seguidos por 45% que dizem ser “importante”.

Há mesmo quem afirme que consumo de produtos locais é um “ato patriótico” (29%), ou um “orgulho” (19%).

Quando questionados sobre as razões para consumir bens made in Portugal, 82% dos inquiridos apontam a criação de emprego, 62% referem o desenvolvimento económico e 57% sublinham a qualidade superior dos produtos.

Para 28% dos cidadãos que participaram na análise, os produtos nacionais são “mais seguros, com origem e composição conhecidos”. Já 23% entendem que “o apoio à produção local é ainda importante para a promoção de laços sociais”.

Há ainda 11% que afirma que esta é uma forma de “preservar o saber fazer”, 9% destacam a limitação do impacto ambiental e 5% entendem que os bens portugueses são mais baratos que os importados.

Mas o número de pessoas que se compromete a fazer isso mesmo é menor: apenas três em cada dez garantem que vão tentar alcançar esse objetivo.

O inquérito foi feito junto de mil pessoas residente em Portugal Continental de ambos os sexos, idades entre os 18 e os 74 anos, numa amostra representativa da população e estratificada por distrito, sexo, idade e níveis socioeconómicos.

FonteTSF
Avatar
Manny Olas estudou em Cambridge, Reino Unido, e vive em Northampton desde 2003. É um apaixonado por comunicação, serviço publico e interação com o publico em geral. Faz emissões de rádio online e negocia no mercado de valores como passatempo.