Os mais de 100 portugueses retidos na Austrália, sem trabalho por causa da Covid-19, lançaram esta quarta-feira uma petição a pedirem o repatriamento “com urgência”.

“Os assinantes desta petição vêm por este meio pedir ao Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal ajuda para voltar a Portugal”, lê-se no título do documento.

Na petição, os portugueses explicaram que, devido “ao estado de emergência mundial”, ficaram sem trabalho e estão em vias de ficarem sem estadia “se suceder, como em Portugal, o encerramento das residências temporárias como hostels e hotéis”. Por isso, admitem que se sentem “em perigo” e sem possibilidade de se sustentarem monetariamente.

“Os poucos voos que ainda se realizam para a Europa têm preços exorbitantes que a maioria de nós não consegue pagar”, acrescentaram.

Além disso, mesmo para quem possa comprar o bilhete, existe “o alto risco de cancelamento dos mesmos e a perda do respectivo montante”.

Na Austrália, as fronteiras dos estados fecharam, como Western Austrália (WA), sem consulado português, o que impossibilita a ajuda consular aos portugueses aí retidos, alertaram.

“Pedimos com urgência que se concretize o repatriamento dos portugueses retidos na Austrália, tal como aconteceu já noutros locais”, conclui a petição.

O grupo, que inclui alguns turistas portugueses, encontrou-se através da rede social Facebook e agora procura, por via da plataforma Whatsapp, encontrar uma solução conjunta para o seu problema.

O “objetivo comum” é regressarem a Portugal, porque os hotéis, restaurantes e empresas onde trabalhavam fecharam e sem salário é difícil viver num país onde “as rendas e alimentação são muito caras”, disse à Lusa Diogo Sobral, um dos elementos do grupo.

Ministério fala em prioridades

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), através do gabinete da secretária de Estado das Comunidades, reiterou a recomendação para que os portugueses retidos procurem alternativas de voos comerciais.

“A situação dos cidadãos nacionais na Austrália está a ser acompanhada atentamente através da rede diplomática e consular no país, estando já identificadas as situações de algumas dezenas de nacionais que solicitaram apoio e que se encontram transitoriamente no país, como é o caso de turistas ou estudantes Erasmus”, afirmou o gabinete de Berta Nunes.

Em resposta por escrito a questões colocadas pela Lusa sobre os mais de 100 portugueses que se encontram retidos naquele país, o gabinete da Secretária de Estado das Comunidades diz que “no caso concreto da Austrália, o MNE reitera a recomendação para que sejam procuradas alternativas comerciais” de voos.

Segundo a nota, o MNE está a acompanhar a situação de milhares de portugueses, numa centena de países, que solicitaram apoio na sequência das limitações às viagens aéreas e restrições introduzidas na maioria dos países do Mundo.

Assim, “para conseguir dar uma resposta pronta e adequada às situações mais urgentes, é necessário definir quais as situações prioritárias”.

Neste contexto, o gabinete de Berta Nunes explicou que há casos em que os cidadãos nacionais dispõem de alternativas comerciais, como na Austrália, e outros em que estas não existem.

Para referir de seguida que o “MNE tem forçosamente que concentrar maiores esforços na busca de alternativas para os portugueses que delas não dispõem”.

Da mesma forma, “não pode ser concedido o mesmo tipo de apoio a um cidadão nacional que se encontra transitoriamente no estrangeiro – e que, por exemplo, não dispõe aí de uma residência que lhe permita, por exemplo, respeitar um período de quarentena – e um português que resida no estrangeiro”, finaliza a Secretária de Estado das Comunidades.




Deixe um comentário

  Subscribe  
Notify of