O Reino Unido decidiu esta quinta-feira retirar Portugal da lista verde, a qual permite que os turistas britânicos não sejam obrigados a fazer uma quarentena de 10 dias, avança a Sky News. A confirmar-se, o turismo nacional ficará assim sem a sua vantagem competitiva face a outros destinos europeus uma vez que Portugal era o único país da União Europeia que estava na lista verde.

Ainda não se sabe a partir de quando é que esta decisão se aplicará, mas Portugal passará em breve a estar na “lista âmbar”, o que significa que os turistas britânicos terão de fazer 10 dias de quarentena à chegada do Reino Unido, realizando testes à Covid-19 no segundo e no oitavo dia após a chegada. Esse período pode ser encurtado caso tenham um segundo teste negativo no quinto dia. Apesar disso, esta regra desencoraja viagens para os países que constam nesta lista “âmbar”.

Portugal em risco de sair da lista verde do Reino Unido

Segundo o The Telegraph, que avança com a mesma informação, a nova lista entrará em vigor às 4h da manhã do dia 8 de junho, ou seja, na próxima terça-feira. O jornal britânico escreve que “testes [a viajantes britânicos que vieram a Portugal] revelaram o que se acredita serem variantes da Covid desconhecidas até ao momento”. Assim, os britânicos ficam apenas com dois países para onde poderão viajar em férias neste momento: Islândia e Gibraltar. Os restantes nove países que continuam na lista verde não permitem a sua entrada, de acordo com o mesmo jornal.

Há ainda uma situação pior que é a lista vermelha, composta por mais de 30 países, em que os turistas britânicos têm de cumprir a mesma quarentena e testes, mas são obrigados a ficar em hotéis designados para o efeito com um custo de 1.750 libras por adulto.

Esta quarta-feira o primeiro-ministro britânico alertou os viajantes que os países podem ter novamente restrições durante o verão, tal como aconteceu no passado em que as mudanças apanhavam alguns britânicos de surpresa. “O caos do corredor aéreo”, apelidou o The Guardian, assinalando que as declarações de Boris Johnson aumentaram esse receio.

Foi a 7 de maio que o Governo britânico anunciou que iria deixar de proibir as viagens internacionais não essenciais a partir de 17 de maio, implementando um sistema de semáforos para classificar os países consoante a situação epidemiológica. Desde então, o número de casos em Portugal aumentou de 33 casos por 100 mil habitantes para 51 casos por 100 mil habitantes a 2 de junho.

Portugal foi o único país da União Europeia a ser incluído na lista verde do Reino Unido, o que lhe deu uma vantagem competitiva face a outros destinos de turismo como Espanha ou Grécia. Os turistas britânicos que vieram a Portugal nos últimos dias tiveram de apresentar um teste tanto à entrada como à saída, mas não foram obrigados a fazer uma quarentena de 10 dias.